Bad Beat*

Rink, entre o poker e o Atlético: retrato de escolhas erradas

Paulo Rink protagonizou um episódio marcante na dura caminhada que o Atlético faz rumo à Série B 2012. Foi logo após a derrota para o Avaí, 0-3, que matou a reação que o Furacão ensaiava ao vencer o Inter. Rink cobrou comprometimento do elenco rubro-negro, nominando (por indução do entrevistador) jogadores como Marcinho, Cléber Santana e principalmente Paulo Baier:

“Eu nunca tinha pensado que o Atlético ia cair. Mas o jogo de hoje fiquei com medo. Não foi só a derrota (…) tô envergonhado, foi um dos piores desempenhos que eu vi esse ano, não só na parte tática, mas também na vontade. Hoje não corremos, não ganhamos divididas. Tem que conversar com eles para ver o que aconteceu. Hoje nós perdemos na vontade dentro de campo, ninguém quis jogar”.

O disparo contra o grupo de jogadores foi feito nos microfones da Rádio Transamérica. Rink não está errado. Nem foi o principal culpado pela derrota em Florianópolis. Rink é só mais um personagem na epopéia de erros atleticanos em 2011. Ele, gerente de futebol do clube, dividiu seu tempo nas vésperas de um jogo que pode ter significado o rebaixamento atleticano entre a gerência de futebol e o poker, no Brazil Poker Tour, o brasileiro da PokerStars.

Incompatível com a função. Inadimissível para um gestor profissional. No caso atleticano, mais um episódio tragicômico.

Eu gosto de poker. Jogo, estudo, sou entusiasta. Até já joguei ao lado de Paulo Rink. Não há mal nisso, como não há quando Wanderley Luxemburgo joga, apesar do barulho feito quando o hábito do polêmico técnico do Flamengo veio à tona. Bobagem e preconceito.

Mas eu não jogo enquanto produzo o Jogo Aberto Paraná. Nem um gerente de futebol deveria dividir suas atenções com o principal torneio de poker do País, cuja inscrição custa mais de R$ 2 mil. Muito menos na tarde em que o gerente é a pessoa que melhor pode passar confiança aos atletas para o jogo decisivo, ou quando o gerente foi um ídolo com a camisa do clube. E talvez por isso esteja sendo poupado.

Rink é, na verdade, o terceiro gestor de futebol do clube – quarto, se contarmos que o presidente Marcos Malucelli assumiu a função. Dos donos desse cargo, o Atlético apresentou (só em 2011) seis treinadores, três preparadores físicos, mais de 40 jogadores em campo. O episódio protagonizado por ele demonstra o profissionalismo da gestão do futebol do clube. E aqui, não se julga intenção ou caráter; apenas o óbvio: amadoristicamente, o Atlético caminha a passos largos para a Série B.

Uma bad beat das mais difíceis do torcedor engolir. Mas poker – ou gestão – não é sorte; é habilidade.

*Bad Beat: termo que define a aparição de uma carta desfavorável a um dos jogadores contra muitas possibilidades. Um exemplo: quando de todas as cartas do baralho, só uma ajuda o jogador – e justamente ela aparece, contra as probabilidades.

Update: Rink desligou-se (ou foi desligado) da gerência de futebol durante a tarde desta terça-feira. Não se surpreenda se ele voltar ao clube na mesma função ou no departamento de futebol em 2012, com Mário Celso Petráglia.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s